“Bola Cheia” ou “Bola Murcha”

“Bola Cheia” ou “Bola Murcha”

Nestes tempos em que vivemos, o bicho pega. Pega porque temos sempre que ser os melhores, mais fortes, mais bonitos, mais inteligentes, mais tudo. Só que não existem super-heróis, ninguém consegue ser o melhor em tudo ou em muita coisa. Toda essa necessidade vinda do mundo exterior faz com que acreditemos que realmente precisamos ser esse todo, esse super-herói que consegue fazer muito bem milhares de coisas ao mesmo tempo.

O problema começa aí, pois com toda essa pressão trazemos essas necessidades para o nosso mundo interno. A bomba relógio está armada, porque nossa humilde condição humana não permite estarmos preparados para tudo. Temos que acordar cedo, nos alimentar bem, sermos os melhores no trabalho (caso desejemos uma promoção), ter o corpo em forma, ser o melhor marido ou esposa, o melhor pai ou mãe, ser bom de cama, ufa… mais um caminhão de coisas!! Será que dá?…

O tempo da bomba relógio corre mais rápido na hora em que não damos conta de tanta pressão, e passamos a nos ver como pessoas incapazes de realizar ou suprir tantas expectativas. Passamos a nos ver como incompetentes, percebendo aí só nossos defeitos, nossas desvantagens em relação ao super-herói que “devemos” ser. Esquecemos então de nossas qualidades, das vantagens que temos em relação ao mundo externo.

Nossa vida se resume a reclamar, a não se encaixar, a não se sentir aceito, olhando apenas para o outro que aparenta possuir mais e nos tornamos grandes “bolas murchas”. O pior é quando um se encontra com outro! Ninguém aguenta dois ou mais “bolas murchas” juntos, é negatividade para todo lado!!

Defeitos e desvantagens todo mundo tem, mas porque uns são “bolas cheias” e outros “bolas murchas”?

O “bola murcha” já foi citado alí em cima, ele só trabalha com seus defeitos e desvantagens, tentando contagiar a multidão. Já o “bola cheia” não! Ele tem o segredo da transformação. Tem a bomba que não é relógio e sim a que enche a bola. O “bola cheia” reconhece seus defeitos e desvantagens, aprende a conviver com eles e utiliza suas qualidades e vantagens a seu favor.

No mundo de hoje existem mais “bolas murchas” do que “bolas cheias”, as pessoas não aguentam a pressão, assumem como suas as necessidades do mundo exterior e, como não correspondem, se frustram, deixando se conduzir por suas desvantagens, anulando assim, suas vantagens e qualidades.

Não seja um “bola murcha”, aproveite a fórmula da transformação: faça as pazes com suas imperfeições. Descubra suas qualidades e vantagens, acredite nelas e coloque-as a seu favor, trabalhando para suas metas e crescimento.

E aí, vai ser o que, um “bola cheia” ou um “bola murcha”?

No Comments

Post A Comment