O espaço a ser preenchido é de cada um!

O espaço a ser preenchido é de cada um!

Fiquei um pouco na dúvida se escreveria ou não sobre esse tema, mas ao pensar bem, cheguei à conclusão de que seria muito importante, pois o relacionamento entre pessoas não faz distinção específica sobre o sexo dos parceiros, quem faz isso é a sociedade, a cultura das pessoas.

Este tema também chama a atenção se abordado no ponto em que tentarei. Vou tratá-lo da melhor maneira possível, expressando a necessidade do desprendimento ao preconceito e às diferenças…

Toquei em uma palavra bem interessante, diferença. Mas não consigo entender diferença quanto a quê. Nesse caso deve ser ao fato de ser “diferente” do que se tem como normal em nossa cultura, onde a necessidade da união entre pessoas deve ser de sexo diferente. Para procriação eu até concordo, até porque não há a possibilidade de pessoas do mesmo sexo “se engravidarem”.

Só que, quando falamos de união entre pessoas, não devemos nos ater apenas ao fator sexual da coisa. Somos muito mais que sexo, temos sentimentos, desejos, expectativas, vontades, medos, angústias, dores, prazeres, tesão. Tudo isso qualquer ser humano tem, não há distinção entre etnia, cor, religião, sexo, mas sim em como cada um trata tal situação ou momento. Nem sempre o azul que eu vejo é o mesmo que você vê.

Aí está a diferença! A diferença está em como cada um lida com suas emoções. Com certeza a referência é baseada na cultura e experiências vividas pelo sujeito, mas o como ele vai encarar as opções e realizar suas escolhas, cabe mais ao fator individual, ao livre arbítrio, ponto que diferencia uma pessoa da outra e torna o ser e sua relação com o outro algo tão profundo e surpreendente. A relação com o outro e consigo mesmo é uma caixinha de surpresas.

O filósofo Sartre disse: “Não importa o que façam com você, mas sim o que você faz com isso”. Creio que nada mais traduz o ponto que diferencia uma pessoa da outra do que essa frase. Ela remete a uma das duas coisas que não conseguimos escapar nessa vida, que é realizar ESCOLHAS. A outra é morrer, mas não vem ao caso.

O que tudo isso tem a ver com a homossexualidade? Não sei se fará muito sentido para vocês, mas isso está muito claro em minha mente. Tem a ver quando uma pessoa se diferencia da outra por fazer sua escolha, que seja momentânea ou eterna, mas que seja escolha própria, responsável, baseada em suas emoções.

O que deve ser sempre seguido é o respeito mútuo e compreensão de todas as partes que se envolvem em qualquer tipo de relação, pois o que define uma boa relação é sua motivação, o que ela produz. Se há positividade, cumplicidade, amor, respeito, prazer e bons frutos, por que se prender a detalhes?

Ninguém tem nada com o espaço do vizinho, ele preenche como quiser, pois o espaço a ser preenchido é de cada um.

No Comments

Post A Comment