Fábio Braz Vianna

Existe aquela famosa frase, “Quem gosta de pênis é gay, mulher gosta é de dinheiro”. Não posso dizer que ela está totalmente errada, mas depende do como iremos interpretá-la. Na verdade tanto o gay quanto a mulher gostam de pênis e dinheiro, a diferença está em como um tem o outro. Ao dizer que alguém se interessa pelo dinheiro, estamos na verdade querendo dizer que essa pessoa gosta do que o dinheiro proporciona, que no fundo é a segurança. Homens bem sucedidos exalam poder, potência, possibilidades, ou seja, segurança. Que pessoa, independente do sexo, não deseja segurança? Na maior parte dos casos as pessoas fazem concurso público porque é emprego para toda vida e, nem sempre porque o salário é o melhor e o trabalho gratificante...

Desta vez estamos falando de duas palavras, sentimentos ou conjunto de sentimentos que me deixam até arrepiado. Aposto que 90% dos leitores também. Se apaixonar é uma delícia, tudo fica azul, lindo, a pessoa é maravilhosa, tudo o que ela faz é bom, só vemos coisas boas. O mundo passa a não ter problemas, ficamos radiantes, mostrando a tudo e a todos que estamos bem e nos sentindo felizes. Todo mundo percebe quando outra pessoa está apaixonada, pois ela age de maneira infantil, acha graça de tudo, é uma beleza. É muito gostoso sentir tudo isso. Caracterizo a paixão como uma turbulência, pois chega, tira tudo do lugar, dura um determinado tempo e, não sei se, felizmente ou infelizmente, passa...

Como é conhecido o romântico à moda antiga?! Ele abre a porta do carro, puxa a cadeira para sua companhia sentar, dá flores, liga no dia seguinte, faz jantar a luz de velas, dá cartão, etc. Bem legal, bonito, bonitinho! Mas será que é isso que anda agradando as mulheres hoje? Será que é esse o tipo de homem que realmente desperta e mantêm o interesse da mulher?! Por conhecimento de causa digo que não. Se o cara quiser ser um legítimo “Dom Juan” deve primeiro saber com qual tipo de mulher está lidando para saber quais os reais artifícios a serem utilizados na conquista, pois cada mulher e situação exigem do conquistador uma atitude. Mas isto não é o que iremos falar. Se alguém quiser dicas sobre conquista ou ser conquistado não irá encontrar nesse texto, mas possivelmente em algum outro quem sabe...

Quem nunca escutou a frase ou viu em alguma rede social: “Sou legal, não estou te dando mole”. Eu consigo ver essa frase por 3 ângulos diferentes. O primeiro é que realmente sou legal, simpático, converso com todo mundo e, às vezes, as pessoas confundem as coisas. Já o segundo é assim, estou te dando mole sim, mas falo essas coisas e nego só pra não dar o braço a torcer e para não ficarem dizendo que sou fácil. E o terceiro ponto de vista é que nem sou tão simpático assim nem estou te dando mole, mas ter alguém me desejando é muito bom. Podemos discutir sobre os três pontos, mas vou me ater apenas ao terceiro, que me intriga no momento. Os outros dois se por vontade ou solicitado, discorro em outra oportunidade...

Esta frase é muito interessante. Interessante porque possui três palavras que trazem consigo diversos significados e, mais que isso, uma gama de afetos. O que é se sentir corroído? O que é amar? O que é ser correspondido? Cada uma dessas palavras varia de acordo com o sujeito, pois cada um sente e percebe o que acontece ao seu redor de forma pessoal, determinada por suas experiências de vida. O que é corrosivo para um pode nem ser desagradável para o outro. E isso também serve para amor e compreensão, pois cada um tem suas necessidades...

Saudade é uma palavra com significado apenas no vocabulário português. Faz referência à mistura dos sentimentos de perda, distância e amor. E, inevitavelmente, está presente quase sempre em nossas vidas. Quem nunca disse: “Estou morrendo de saudade...” O que me intriga na saudade é porque a sentimos, do que a sentimos e como convivemos com ela. Podemos dizer que a saudade é um conjunto de sentimentos, perda, distância e amor, que anteriormente, também, são constituídos por vários outros. Essa gama de sentimentos, dependendo de como estejamos no momento, nos consome de forma avassaladora. Sentimos saudade de pessoas, objetos, animais, experiências, tudo aquilo que já tivemos um dia e, de alguma maneira, em algum dado momento do tempo, sentimos falta, pois era neste momento, que tal objeto de saudade se fazia necessário. E como conviver com isso tudo?!...

Fui convidado a escrever sobre um tema de suma importância para o panorama atual: a SUSTENTABILIDADE. Além do desafio normal vem o "plus a mais" em associar o assunto às relações humanas, temática das mais abrangentes nos meus textos. Fiquei algum tempo pensando em como abordar o conteúdo e várias ideias surgiram, mas foram embora com uma velocidade tão rápida, que não fiz nenhum registro. Logo, não seriam esses os caminhos a serem tomados. Em uma conversa com a responsável pelo convite, divagando sobre a questão, esclarecendo alguns pontos e suprimindo o frio na barriga em relação ao objetivo do projeto, tentei fortemente procurar alguma frase de impacto para ligar os temas. Aí veio esta: "Poxa, posso falar para as pessoas sobre sua sustentabilidade relacional, pois, para mim, nossas escolhas balizam como estaremos com e para o outro".  Na hora, recebi um retorno positivo. O mais incrível é que, ao dividir essa informação com alguns amigos, não conseguia reproduzir a frase ou ideia de modo algum, parece que fui bloqueado de alguma maneira e fiquei por dias com isso na cabeça, sem poder concluir meu raciocínio ou escrever o que precisava...

Como podemos caracterizar a traição!? Existem diversos tipos variando de acordo com situações e relações. Aqui, vamos falar sobre traição em relacionamentos amorosos. Este fato pode estar presente em qualquer relacionamento desde que o mesmo esteja passando por algum tipo de turbulência por parte de um dos parceiros. A falta de estrutura psicológica para lidar com dificuldades e divergências faz com que o indivíduo busque em outras atividades ou em outras pessoas uma forma de compensação ou fuga deste sentimento turbulento. Lidar com a situação de traição é algo complicado, pois muitos casais não suportam a pressão de estar ao lado de alguém em que não se confia mais, já que a confiança é a base que sustenta e dá qualidade ao relacionamento...